energia-solar

Segundo a ABSOLAR, o desenvolvimento do segmento fotovoltaico encontrará cenário positivo com a retomada dos leilões de energia

Avaliação da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSOLAR) indica que retomada dos leilões de energia beneficia o desenvolvimento do setor fotovoltaico brasileiro. A pandemia da Covid-19 foi responsável pelo cancelamento dos certames marcados para 2020. Tal suspensão foi realizada pelo Ministério de Minas e Energia (MME).

“A retomada dos leilões foi um pleito da ABSOLAR ao Ministério de Minas e Energia, por meio de Ofício enviado em 15 de abril de 2020, e de diversas interações com o ministério. É uma ótima notícia para o desenvolvimento do setor solar fotovoltaico, especialmente para o segmento de geração centralizada”, apontou a organização por meio de boletim.

O MME determinou, em 11 de janeiro, as diretrizes para execução dos Leilões de Compra de Energia Elétrica Proveniente de Novos Empreendimentos de Geração, que são chamados de Leilão de Energia Nova A-3 e A-4 de 2021. A expectativa é de que os certames ocorram em 25 de junho, englobando a fonte solar fotovoltaica.

De acordo com a Portaria n° 1, de 7 de janeiro de 2021, divulgada no Diário Oficial da União (DOU), serão negociados nos dois leilões Contratos de Comercialização de Energia no Ambiente Regulado (CCEARs) em diferentes modalidades: na modalidade por quantidade de energia elétrica, destinada a projetos eólicos e fotovoltaicos, com prazo de fornecimento de vinte anos; na modalidade por quantidade de energia elétrica voltada a projetos hidrelétricos, com prazo de suprimento de trinta anos; e na modalidade por disponibilidade de energia elétrica para projetos termelétricos a biomassa, com prazo de fornecimento de vinte anos.

O prazo de fornecimento para projetos solares fotovoltaicos, no leilão A-3, será entre 1º de janeiro de 2024 e 31 de dezembro de 2043, ao passo que o leilão A-4 contará com um período entre 1º de janeiro de 2025 e 31 de dezembro de 2044.

A pasta divulgou, em dezembro, as portarias Nº 435/2020 e 436/2020, aprovando para 2021 quatro leilões de energia nova e incluindo a energia solar fotovoltaica em todos.

Fonte: https://www.portalsolar.com.br/blog-solar/leiloes-de-energia-solar/segundo-a-absolar-o-desenvolvimento-do-segmento-fotovoltaico-encontrara-cenario-positivo-com-a-retomada-dos-leiloes-de-energia.html

147335-x-dicas-para-contratar-uma-empresa-para-instalacao-de-energia-solar-800x450

Energia Solar deve atrair 5 mil novas empresas ao mercado em 2021

A energia solar vive um momento único no Brasil. No último ano, mesmo em contexto de pandemia, a capacidade energética do setor cresceu cerca de 52% e hoje, a solar é vista como a principal fonte a encabeçar a retomada verde no país e a transição para uma economia 100% limpa e renovável, seguida da eólica, hidrelétrica e do gás natural.

A ascensão também se refletiu no ambiente corporativo: em 2020, surgiram cerca de 450 novas empresas do setor a cada mês. Neste ano, as estimativas são ainda mais otimistas, e a perspectiva é de que 5.400 companhias comecem suas operações no Brasil até dezembro, segundo mapeamento do Portal Solar, principal marketplace de energia solar fotovoltaica no país. O crescimento, segundo a empresa, corresponde a uma alta de 27% quando comparado ao volume total de empresas no segmento fotovoltaico no país, que hoje conta com 20 mil companhias.

O surgimento de novas empresas não é algo incomum no setor. Em uma pesquisa realizada em 2020, o Portal Solar concluiu que apenas 12,3% das empresas que atuam com energia solar fotovoltaica estão no mercado há mais de quatro anos, enquanto a maior parcela delas (41,2%) está no ramo há menos de um ano.

Mesmo com a média de abertura de empresas sendo considerada estável, a estatística ainda chama a atenção quando comparada às de anos anteriores. “Para se ter uma ideia, nos anos de 2016 e 2017, o índice de surgimento de novas organizações por mês não ultrapassava a marca de 250”, diz Rodolfo Meyer, presidente do Portal Solar.

O conhecimento técnico a respeito da energia solar fotovoltaica e os benefícios da geração de energia limpa no Brasil também serão propulsores para novos cadastros de empresas na plataforma da Portal Solar em 2021, segundo Meyer. “Percebemos que há um maior conhecimento sobre financiamentos e acesso de um público com rendas menores”, diz.

Mercado de trabalho em alta

Segundo a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSOLAR) o segmento atraiu mais de 13 bilhões de reais em investimentos em 2020, incluindo as grandes usinas e os sistemas de geração em telhados de pequenos terrenos comerciais e residenciais. O valor bilionário repercutiu na criação de mais de 86 mil novos postos de trabalho. Desde 2012, ano inicial em que a entidade passou a monitorar o setor, os investimentos acumulados são de 38 bilhões de reais.

De acordo com o levantamento do Portal Solar, somente no último ano, as empresas que atuam no segmento de geração solar distribuída, ou seja, projetos que não contemplam as grandes usinas, geraram aproximadamente 68 mil empregos no país, um acréscimo de 92% em relação ao acumulado de contratações realizadas entre 2012 e 2019. Na estatística entram distribuidores, revendedores, instaladores e projetistas, por exemplo.

A abertura de novas empresas também tem impacto direto na criação de postos de trabalho. Segundo Meyer, a alta taxa de desemprego motiva, cada vez mais, profissionais a abrirem empresas de energia solar e trabalharem de forma autônoma, como no caso de engenheiros elétricos.

Energia solar em ascensão

Segundo a ABSOLAR, houve um salto de 64% na potência operacional da energia solar fotovoltaica em 2020 em relação a 2019. O Brasil possui atualmente 7,5 gigawatts (GW), somando as usinas de grande porte e os pequenos projetos em telhados e fachadas de comércios e residências.

A tendência é mundial. Nos Estados Unidos, o ano de 2020 também veio junto de um recorde de potência de instalações solares. O país registrou 19 gigawatts a mais nas instalações solares residenciais, segundo a Wood Mackenzie e Solar Energy Industries Association (SEIA).

Na China, o anúncio de Xi Jinping sobre as metas de redução nas emissões de carbono também projetam bons cenários para a energia solar. Especialistas dizem que até 2025, o número de novas instalações fotovoltaicas deve atingir um recorde no país. Já na Europa, a Espanha tem despontado como país de destaque na geração de energia solar, perdendo apenas para a Alemanha. Em um ano, a eletricidade gerada por essa fonte no país cresceu 60%, segundo a rede administradora de energia do país.

Fonte: http://www.absolar.org.br/noticia/noticias-externas/energia-solar-deve-atrair-5-mil-novas-empresas-ao-mercado-em-2021.html

unnamed

Quantidade anual de módulos fotovoltaicos importados pelo mercado brasileiro registrou aumento de 16% em 2020

Em relação à quantidade registrada em 2019, o volume de módulos fotovoltaicos importados pelo mercado brasileiro cresceu em 16%, alcançando a marca de 4,76 GW em 2020, segundo estudo da Greener. O relatório indica que, em dezembro, o volume importado chegou a 383 MWp. “A flutuação no volume de módulos reflete as incertezas de um mercado desafiador no ano de 2020”, aponta a empresa.

A companhia indica que, durante 2020, houve uma redução de 24% nos valores dos módulos Mono Perc. Em contrapartida, percebe-se uma inclinação ao aumento de preços nos próximos meses, representando o desempenho do mercado global.

Durante 2020, o mercado exigiu um volume total de 4,89 GW de inversores, o que corresponde ao acréscimo de 41% quando comparado ao valor observado em 2019. Já em dezembro, o volume importado atingiu 723 MW. A fabricante diz que os inversores de pequeno porte, normalmente instalados em residências, e inversores de maior porte (> 50 kW), presentes em usinas maiores, protagonizaram o cenário do mês.

Segundo pesquisa atual realizada pela Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSOLAR), mais de R$ 13 bilhões em investimentos foram conquistados pelo setor fotovoltaico brasileiro, abarcando usinas de grandes dimensões e sistemas de geração em pequenos terrenos, fachadas e telhados. Comparado aos investimentos recebidos desde 2012, os números demonstram um crescimento de 52%.

A ABSOLAR afirma que mais de 86 mil novos empregos, difundidos em todas as regiões do país, foram criados pelos investimentos realizados em 2020. Em tal ano, houve um crescimento de 62% das contratações em relação aos postos de trabalho acumulados no Brasil desde 2012. Considerando os valores calculados desde 2012, a fonte solar fotovoltaica foi responsável por mais de 224 mil empregos e mobilizou mais de R$ 38 milhões em empreendimentos.

Dentro da capacidade de geração elétrica renovável e limpa – somando os pequenos e médios sistemas instalados em fachadas, terrenos (geração distribuída) e telhados, e as usinas de grande porte (geração centralizada) –, o território brasileiro conta com 7,5 GW de potência operacional da fonte fotovoltaica. De acordo com a ABSOLAR, apesar das dificuldades enfrentadas no ano devido à pandemia, o Brasil saiu de 4,6 GW no fim de 2019, com um crescimento de 64%.

Fonte: https://www.portalsolar.com.br/blog-solar/energia-solar/quantidade-anual-de-modulos-fotovoltaicos-importados-pelo-mercado-brasileiro-registrou-aumento-de-16-em-2020.html

Dicas de ferramentas para o Home Office

Com o início do isolamento social, pessoas de todo o mundo passaram a trabalhar completamente à distância pela primeira vez. Mais do que nunca, a comunicação e a colaboração são fundamentais.


Nós do BanConectado já nascemos CONECTADOS e trabalhar a distância, faz parte da nossa rotina. Nossos colaboradores de diversas regiões do Brasil, trabalham de suas casas (home office) ou em escritórios compartilhados (coworking) e queremos compartilhar algumas dicas valiosas, quem podem ajudar você também!

Trello

Trello é uma popular plataforma de gerenciamento e organizações de tarefas, individuais em equipe. Seu funcionamento básico consiste em quadros, incluindo objetivos, que são distribuídos entre colunas. Possui muitas opções de customização e pode se adaptar conforme as demandas de cada usuário.

Uma das formas mais comuns de organização do Trello é através de etapas e prazos. A ferramenta é gratuita e permite incluir informações sobre prazo de entrega, objetivos e qual pessoa está responsável por cada uma das partes do projeto.

Google Drive

Reúne um conjunto de ferramentas simples e intuitivas de Google, todas as pessoas da sua equipe pode trabalhar on line garantindo o respaldo dos dados.

Slack

O Slack é voltado para a comunicação empresarial sem a cara de reuniões formais, com inspiração em um escritório virtual. Ele permite conversas entre duas pessoas ou em grupo, além de permitir janelas privadas entre membros de um mesmo grupo.

Esta é uma boa plataforma para trabalhadores remotos que sentem falta da interação com colegas, sem deixar a produtividade diminuir.

Zoom

O Zoom, é uma ferramenta de videoconferência que possibilita fazer reuniões por vídeo entre duas pessoas ou com 500 participantes. Também é possível compartilhar arquivos, textos e apresentações pelo bate-papo.Com o avanço do surto de coronavírus no mundo, o Eric Yuan, CEO da companhia, anunciou a suspensão do limite de tempo para videochamadas na plataforma nas versões gratuitas.

Dropbox

Extremamente popular, o Dropbox permite o compartilhamento de arquivos em nuvem quando o e-mail não é suficiente. O compartilhamento de pastas permite que arquivos sejam sincronizados e trabalhados em colaboração.

A versão gratuita do Dropbox permite um limite de compartilhamento de até 2 GB, além de integração com computador e versões mobile. Há planos pagos com maior limite de armazenamento e planos empresariais.

LastPass

Com tantas senhas para contas em sites, nuvem e apps, esse serviço é muito bem-vindo. O LastPass armazena todas as credenciais em um único lugar, deixando-as acessíveis para toda a equipe. Algo muito útil para quem está começando em uma empresa.